Postagens

A falência do ensino brasileiro

Os péssimos, alarmantes e decadentes índices do ensino brasileiro, conforme avaliações oficiais publicadas pelo Ministério da Educação, mostrando que tanto o ensino fundamental quanto o ensino médio estão literalmente falidos, atestam a vergonhosa situação em que nossa nação está inserida, com altíssimos índices de analfabetismo, de violência, de corrupção, de hipocrisia e de tantos outros males que todos os dias invadem as mídias. Em contrapartida, e num flagrante contraste, temos uma Lei de Diretrizes e Bases da Educação (LDB) considerada como avançada, acompanhada por Parâmetros Curriculares Nacionais (PCNs) bem planejados, e agora com a Base Nacional Curricular Comum (BNCC) que surge para melhor organizar o ensino em todo o território nacional. Apesar desses instrumentos pedagógicos, não conseguimos, nem de longe, cumprir o Plano Nacional de Educação (PNE), que estabelece metas qualitativas e quantitativas para serem alcançadas no prazo de um decênio. É muito fácil …

Professores da educação básica estão insatisfeitos com sua profissão

Apenas 21% dos professores da educação básica no Brasil afirmam estar totalmente satisfeitos com a atividade docente, enquanto um terço deles (33%) diz estar totalmente insatisfeito com a profissão.

É o que mostram os dados da pesquisa "Profissão Docente". O levantamento é uma iniciativa do Todos Pela Educação e do Itaú Social, com realização do Ibope Inteligência em parceria com a Conhecimento Social.

A pesquisa ouviu 2.160 professores da educação básica (desde a educação infantil até o ensino médio) de todo o Brasil, tanto da rede pública como da rede privada. A coleta foi realizada por telefone entre os dias 16 de março e 7 de maio deste ano. A margem de erro é de dois pontos percentuais.

De acordo com o levantamento, 78% dos professores afirmam ter escolhido a carreira principalmente por aspectos ligados à afinidade com a profissão, como o prazer por ensinar ou transmitir conhecimento (34%) e a aptidão e talento para ser professor (13%).

Ao mesmo tempo, quase metade dos…

E o jeitinho brasileiro continua

Apesar de há anos estarmos assistindo o poder judiciário levar para trás das grades prisionais centenas de pessoas condenadas por corrupção, por improbidade administrativa, por desvios de recursos públicos e outras questões, num combate incessante pela moralidade, pela ética, continuamos a assistir o famoso jeitinho brasileiro acomodando as situações e encontrando subterfúgios para escapar da lei e da ordem.
Aproximando-se o período eleitoral, vemos a movimentação de jovens políticos, ou pelo menos candidatos a tal configuração, que estão se preparando para ludibriar o eleitor. Expliquemos: muitos são filhos ou sobrinhos de políticos famosos, que estão sob investigação, que respondem a processos e que protagonizam escândalos. Ou seja, estão com o nome sujo. O que fazem então esses jovens apadrinhados por esses políticos? Estão registrando na justiça eleitoral nomes que não têm ligação com a família, ou seja, estão encobrindo o nome de família, para não serem identificados com o padri…

Analfabetismo funcional no ensino superior

O Instituto Paulo Montenegro em parceria com a ONG Ação Educativa, publicou a pesquisa Indicador de Alfabetismo Funcional, onde aponta que apenas 22% dos brasileiros que chegaram à universidade têm plena condição de compreender e se expressar. Em bom entendimento, isso significa que  78% dos estudantes brasileiros do ensino superior podem ser classificados como analfabetos funcionais, ou seja, não sabem ler e interpretar corretamente um texto, além de não dominarem o raciocínio lógico-matemático mais complexo. Diante desses índices, a pergunta que devemos fazer é onde está a causa, ou onde estão as causas desse fenômeno que coloca a educação brasileira nos últimos lugares quando em comparação com outros países?
A leitura e a interpretação de textos e o raciocínio lógico-matemático são essenciais para a pessoa melhor se articular nas relações sociais, são fundamentais para a vida, mas tudo indica que lastimavelmente estamos desprezando na educação das novas gerações essas ferramentas …

Conheça uma escola inovadora de excelentes resultados

Imagem
Uma visita ao YouTube pode ser reveladora para conhecer escolas inovadoras. Mas pesquisar dá trabalho e nem sempre encontramos o que desejamos. Então para facilitar, aqui está vídeo produzido pelo Canal Futura, que foi ao ar no programa Destino: Educação - Escolas Inovadoras.

Trata-se do Projeto Âncora, com sede em Cotia/SP.

Assista e encante-se.

Por que não seguir esse caminho na sua escola?


Como fazer a educação se só sabemos dar aula?

Fala-se em inovar a educação, e logo se aponta a introdução de tecnologias da informação na escola; novos projetos arquitetônicos para uma escola moderna; substituir o quadro de giz por lousa eletrônica; distribuir tablets ou notebooks para todos os alunos. Nada disso é, de fato, inovação. Nada disso significa transformação da metodologia de ensino. Sabe o que é inovar em educação, com referência à escola? É acabar com a aula.
Sim, isso mesmo, não ter mais aula. Acabar com a figura do professor que ensina, com os alunos enfileirados recebendo informações, e um tempo pré-determinado para início e fim, com aquele sinal estridente anunciando que o tempo de aula terminou, e outro professor, de outra disciplina, deve ocupar o espaço. Quantas vezes a aula ficou com aquele sabor amargo de precisar de mais tempo, de precisar aprender melhor, de necessitar de fazer perguntas? Todos temos essa experiência, não é mesmo?
A simples substituição de cadernos e livros impressos por tablets ou notebo…

O não e o sim com os filhos

Para escrever sobre esse assunto, recordo-me da Karine, menina com seis anos de idade, que conheci em visita a casal amigo. Esperta e vivaz, não gosta de ser contrariada, e quando isso acontece reage com pirraças, choros e respostas nem sempre educadas, faltando mesmo com o respeito a seus pais. Como visitante, fui testemunha desse comportamento. Os pais explicaram que são adeptos de não dizer "não" à filha, pois segundo eles, outras formas devem ser encontradas para melhor educar, para colocar limites. E a visitação continuou, e da mesma forma Karine deu continuidade às suas estrepolias e às suas desobediências aos pedidos e reclamos dos pais. Então seus pais chegaram ao limite da paciência, e a mãe, sem nenhuma cerimônia ou constrangimento, deu-lhe uns bons tapas, muito bem dados, colocando-a de castigo. Resultado: Karine se pôs a chorar, berrando sem cessar em alto e bom som. E tive que assistir a todo esse cenário sem nada poder fazer, mas dele tirei sérias reflexões sob…