Conteúdo e singularidade

Para entender a abordagem que vou fazer neste texto, é melhor, primeiro, ler o que disse Leo Buscaglia, em seu livro "Vivendo, Amando e Aprendendo":

“Talvez a essência da educação não seja entupir os jovens de fatos, e sim ajudá-los a descobrir a sua singularidade, ensinar-lhes a desenvolvê-la e depois mostrar-lhes como doá-la. Nenhum professor jamais ensinou alguma coisa a alguém. As pessoas aprendem por si. Como professores temos que acreditar na mudança, temos que saber que é possível, do contrário não estaríamos ensinando, pois a educação é um constante processo de modificação. Há uma mesa cheia de maravilhas. A educação é o processo de levar as pessoas a ela. Você pode enfeitar a mesa, não pode obrigar ninguém a comer. Todo mundo ensina a todo mundo, o tempo todo, o que são e quem são. Por isso é que todo mundo é professor. Como pessoa afetuosa, é bom você ter muito, muito cuidado com os rótulos que põe nos outros”.

Concordo com ele. Não temos que entupir os jovens de fatos, de informações, de conteúdos curriculares quem nem mesmo o professor sabe direito para que servem. Temos que ajudar os jovens a se descobrirem como pessoas, a desenvolver seus potenciais e como eles podem, maravilhosamente, doar de si para o bem da coletividade. Fatos, informações e conteúdos formam o ensinar, nem sempre ligado ao educar, que é tornar humano, a partir da singularidade, ou seja, da individualidade única do estudante.

Professor que não acredita na transformação (mudança) do aluno, não é professor. É um lesa-individualidade que deveria retirar-se da escola, abandonar o magistério e dedicar-se a outra profissão. Ele pode ser um bom vendedor de cachorro-quente, mas não é um bom professor. E o professor precisa gostar do que faz, acreditando em si e nos seus alunos, acreditando na educação.

De fato, professores nada ensinam a seus alunos. O aluno aprende porque quer, porque apreende os significados, porque se sente estimulado a descobrir e criar. Não existe cátedra, existe facilitação da aprendizagem.

O exemplo de Leo Buscaglia é significativo. Posso enfeitar a mesa e colocar alimentos maravilhosos, saborosos à disposição de todos. Mas os convidados só se deliciarão com as iguarias se quiserem. Não posso obrigá-los a comer o que não querem. Sequer posso obrigá-los a se alimentar. Mas posso incentivá-los, estimulá-los, e colocar na mesa as iguarias que efetivamente gostem, e não aquelas que são do meu gosto.

Conheço um professor que, invariavelmente, dá suas aulas recheadas de slides. Fala muito a cada slide, e, normalmente, produz mais slides do que o tempo de aula permite utilizar. Os alunos saem sempre frustrados. Não conseguem dialogar, perguntar e nem assistir toda a apresentação. É sempre assim. Esse professor não sabe trabalhar a singularidade, a individualidade dos estudantes, não sabe tocar o ser humano que está ali. Ele não acredita na transformação, mas apenas na formatação, o que é bem diferente.

Posso ter um bom currículo e conteúdos variados, mas se não sonhar, se não criar, se não entender que não estou ali para ensinar, e sim para fazer pensar, para estimular o aprendizado, estarei somente entupindo meus alunos com fatos.

Tornar as pessoas mais humanas, conscientes de si e de sua participação social, a partir do respeito à sua individualidade única, dando-lhes visão profunda do ser e da vida, é realizar a educação, aprendendo com quem está aprendendo, caminhando junto com quem está na caminhada para chegar onde já chegamos.

Comentários

EIC MONTREAL disse…
Muito bom.....concordo plenamente.
Marcia Sisi disse…
Olá Marcus, que prazer enorme te achar na net.

Comprei seu livro "Pedagogia da Sensibilidade" nem lembro mais quando e concordo plenamente com suas idéias e propostas.

Sou formada em Artes e já tive a possibilidade de experimentar o ambiente da sala de aula como professora (particular e estado)

Gostaria muito de papear com vc por email... aguardo mcsisi@gmail.com

Postagens mais visitadas deste blog

O Que é Educação de Qualidade?

O que é educação moral

Escola Humanizada